Santa Ana

Informação Geral

Santa Ana é o nome tradicionalmente dado à mãe da Virgem Maria. Ela não é mencionada na Bíblia, mas o seu nome ea lenda de sua vida são dadas no Evangelho 2d século não-bíblicos de Tiago, um dos escritos do apócrifo do Novo Testamento. representações artísticas de Ana Maria e com o menino Jesus eram populares durante a Idade Média e do Renascimento. Ela é a santa padroeira da Bretanha ea província de Quebec. Festa dia: 26 de julho (ocidental); 25 de julho (de Brasília).

ACREDITO
Religioso
Informações
Fonte
web-site
Religioso
Informações
Fonte
web-site

Nossa lista de 2300 Assuntos Religiosos
E-mail
St Anne, Matron Informação Geral

(Católica Perspectiva)

(Século I aC)

Da mãe de nossa Senhora nada é certamente conhecido, até mesmo para o seu nome e de seu marido Joachim temos que depender do testemunho do Protevangelium apócrifo de Tiago que, apesar de sua forma mais antiga é muito antiga, não é um documento confiável. A história não contada é que a sua esterilidade foi feita uma censura pública a Joaquim, que se retirou para o deserto por quarenta dias para jejuar e orar a Deus. Ao mesmo tempo, Anne (Hannah, que significa "graça") "lamentou em duas manhãs, e lamentou em duas lamentações", e como ela se sentou orando sob um loureiro um anjo apareceu e disse-lhe: "Ana, o Senhor Ouvi a tua oração, e tu conceber e produzir, ea tua descendência será falado em todo o mundo ". E Anne respondeu: "Como o Senhor meu Deus vive, se eu gerar macho ou fêmea eu vou trazê-lo como um presente para o Senhor meu Deus, e ele é ministro de Deus nas coisas santas todos os dias de sua vida". Da mesma forma, um anjo apareceu a seu marido, e no devido tempo nasceu deles Maria, que era para ser a mãe de Deus. Note-se que esta história tem uma semelhança gritante com a da concepção e do nascimento de Samuel, cuja mãe foi chamada Anne (1 Reis 1), o início Oriental pais viram nisso apenas um paralelo, mas é o que sugere uma confusão ou imitação de uma forma que o paralelo óbvio entre os pais de Samuel e os de São João Batista não faz.

O culto iniciais de St Anne, em Constantinopla é atestada pelo fato de que, em meados do século VI o imperador Justiniano I dedicou um santuário para ela. A devoção foi provavelmente introduzido em Roma pelo Papa Constantino (708-715). Há duas oitavo século representações de Santa Ana nos afrescos de Santa Maria Antiqua; conspicuamente ela é mencionada em uma lista de relíquias pertencentes a Pescheria em S. Angelo, e sabemos que o Papa São Leão III (795-816) apresentados uma túnica de Santa Maria Maior, que foi bordada com a Anunciação e Joachim St e Sant'Ana. A evidência histórica para a presença das relíquias de Santa Ana em Apt na Provença e na Duren no Rheinland é completamente falso. Mas, ainda que há muito pouco para sugerir qualquer cultus generalizadas de santo antes de meados do século XIV, esta devoção cem anos depois se tornou imensamente popular, e foi mais tarde acrimoniously ridicularizado por Lutero. O chamado selbdritt imagens (ie. Jesus, Maria e Anne-"se tornando um terceiro") foram particularmente um objeto de ataque. O primeiro pronunciamento papal sobre o assunto, enjoining a respeito de uma festa anual, foi abordada por Urbano VI, em 1382, a pedido, como disse o papa, de certas Inglês peticionários, para os bispos da Inglaterra sozinho. É bem possível que ela foi ocasionada pelo casamento do rei Ricardo 11 de Anne da Boêmia, naquele ano. A festa foi estendida a toda a Igreja ocidental, em i584.

O Protevangelium de James, que aparece sob vários nomes e em diversas formas divergentes, podem ser facilmente consultados na tradução de Inglês BH Cowper, evangelhos apócrifos (1874), mas aqui o texto em questão é chamado por ele de "O Evangelho do Pseudo- Mateus ", esta tradução é reproduzida a calhar J. Orr escritos do NT apócrifos (1903). O texto grego pode ser consultado no vol. i de Evangiles apocryphes (1911), ed. H. Hemmer e P. Lejay, ver também E. Amann, Le Protevangile de Jacques et ses remaniements (1910). O trabalho mais completo lidar com a St Anne e devoção a ela a partir de qualquer ponto de vista é o do Pe. B. Kleinschmidt, Die hl. Anna (1930), mas ver também HM Bannister na Revisão Inglês Histórica, 1903, pp 107-112; H. Leclercq em CAD, t.. i, cc. 2162-2174 e PV Charland, Ste Anne et son culte (3 vols.). MV Ronan, St Anne: seu culto e seus Santuários (1927) é bastante acrítica. A grafia "Ann" antigamente era mais comum na Inglaterra do que é hoje.


St. Anne

Informação Católica

Anne (hebraico, Hannah, graça, também escrito Ann, Anne, Anna) é o nome tradicional da mãe da Virgem Maria.

Todas as nossas informações sobre os nomes e as vidas dos Santos. Joaquim e Ana, pais de Maria, é derivado da literatura apócrifa, o Evangelho da Natividade de Maria, o Evangelho do Pseudo-Mateus e do Proto-evangelho de Tiago. Embora a forma mais antiga do último, em que, directa ou indirectamente, os outros dois parecem basear-se, remonta a cerca de 150 dC, não podemos aceitar como fora de dúvida suas diversas declarações sobre a sua única autoridade. No Oriente, a Protoevangelium tinha grande autoridade e partes de que fosse lido sobre as festas de Maria pelos gregos, sírios, coptas, e árabes. No Ocidente, no entanto, foi rejeitada pelos Padres da Igreja até o seu conteúdo foram incorporados por Jacobus de Voragine em sua "legenda dourada", no século XIII. A partir desse momento a história de St. Anne distribuídos por todo o Ocidente e foi amplamente desenvolvido, até St. Anne se tornou um dos santos mais populares também da Igreja Latina.

O Proto-evangelho dá a seguinte conta: Em Nazaré vivia um rico e piedoso casal, Joaquim e Hannah. Eles não tinham filhos. Quando em um dia de festa Joachim apresentou-se para oferecer o sacrifício no templo, ele foi repelido por um Ruben certo, sob o pretexto de que os homens sem filhos eram indignos de ser admitido. Qual Joachim, inclinou-se com a dor, não retornou para casa, mas foi para as montanhas para fazer sua queixa a Deus na solidão. Também Hannah, tendo aprendido a razão da ausência prolongada do marido, clamou ao Senhor para tirar-lhe a maldição de esterilidade, prometendo dedicar o seu filho para o serviço de Deus. Suas preces foram ouvidas, um anjo veio a Hannah e disse: "Ana, o Senhor olhou para as tuas lágrimas; tu conceberás e dar à luz eo fruto do teu ventre serão abençoados por todo o mundo". O anjo fez a mesma promessa de Joachim, que voltou para sua esposa. Hannah deu à luz a uma filha a quem ela chamou Miriam (Maria). Uma vez que esta história é aparentemente uma reprodução do relato bíblico da concepção de Samuel, cuja mãe também era chamado Hannah, até mesmo o nome da mãe de Maria parece ser duvidosa.

O famoso Padre João de Eck de Ingolstadt, em um sermão em St. Anne (publicado em Paris em 1579), finge conhecer até mesmo os nomes dos pais de St. Anne. Ele os chama de Stollanus e Emerentia. Ele diz que St. Anne nasceu depois Stollanus e Emerentia tinha sido filhos de 20 anos, que São Joaquim morreu logo após a apresentação de Maria no templo, que St. Anne então se casou com Cléofas, por quem ela se tornou a mãe de Maria Cleophae (a esposa de Alfeu e mãe dos apóstolos Tiago, o Menor, Simão e Judas, e de José, o Justo), após a morte de Cleophas ela disse ter Salomas casados, a quem ela deu Salomae Maria (a esposa de Zebedaeus e mãe dos apóstolos João e Tiago Maior). A mesma lenda falsa é encontrada nos escritos de Gerson (Opp. III, 59) e de muitos outros. Aí surgiu no século XVI uma controvérsia sobre o animadas casamentos de St. Anne, em que Baronius e Belarmino defendeu a monogamia. O Menaea grego (25 de julho) chamar os pais de St. Anne Mathan e Maria, e se relacionam que Salomé e Isabel, mãe de São João Batista, eram filhas de duas irmãs de St. Anne. De acordo com Ephiphanius ela foi mantida mesmo no século IV por alguns entusiastas que St. Anne concebida sem a ação do homem. Este erro foi reavivada no Ocidente no século XV. (Anna concepit por osculum Joachimi.) Em 1677 a Santa Sé condena o erro de Imperiali que ensinou que St. Anne, a concepção eo nascimento de Maria permaneceu virgem (Bento XIV, De Festis, II, 9). No Oriente, o culto de Santa Ana pode ser rastreada até o século IV. Justiniano I (m. 565) tinha uma igreja dedicada a ela. O cânone do grego Escritório de St. Anne foi composto por São Teófanes (m. 817), mas as peças mais antigas do Office são atribuídas a Anatólio de Bizâncio (m. 458). Sua festa é celebrada no Oriente no dia 25 de julho, o que pode ser o dia da dedicação da sua primeira igreja em Constantinopla ou o aniversário da chegada de suas supostas relíquias em Constantinopla (710). Ele é encontrado no mais antigo documento litúrgico da Igreja grega, o Calendário de Constantinopla (primeira metade do século VIII). Os gregos manter um banquete coletivo de São Joaquim e Santa Ana, no dia 9 de setembro. Na Igreja latina St. Anne não era venerado, exceto, talvez, no sul da França, antes do século XIII. Sua imagem, pintado no século VIII, que foi encontrado recentemente na igreja de Santa Maria Antiqua em Roma, deve a sua origem à influência bizantina. Sua festa, sob a influência da "Lenda Dourada", é encontrado pela primeira vez (26 de Julho), no século XIII, por exemplo, em Douai (em 1291), onde um pé de St. Anne foi venerada (festa de tradução, 16 de Setembro) . Foi introduzido na Inglaterra por Urbano VI, 21 de novembro de 1378, a partir do qual o tempo se espalhou por toda a Igreja Ocidental. Foi prorrogado para a Igreja universal Latina em 1584.

As supostas relíquias de Santa Ana foram trazidos da Terra Santa para Constantinopla em 710 e ainda eram mantidas ali na igreja de Santa Sofia em 1333. A tradição da igreja de Apt no sul da França finge que o corpo de St. Anne foi trazido para Apt por São Lázaro, o amigo de Cristo, foi escondido por São Auspicius (m. 398), e encontrou novamente durante o reinado de Carlos Magno (festa, segunda-feira após a oitava de Páscoa); estas relíquias foram levados a uma magnífica capela, em 1664 (festa, 4 de maio). O chefe de St. Anne foi mantido em Mainz até 1510, quando foi roubado e levado para Düren, na Renânia. St. Anne é a padroeira da Bretanha. Sua imagem milagrosa (festa, 7 de Março) é venerada na Catedral de Notre Dame d'Auray, diocese de Vannes. Também no Canadá, onde ela é a padroeira principal da província de Quebec, o santuário de Santa Ana de Beaupré é bem conhecida. St. Anne é padroeira das mulheres em situação de trabalho; ela está representada segurando a Virgem Maria no colo, que traz de novo sobre o braço do menino Jesus. Ela também é padroeira dos mineiros, Cristo sendo comparado ao ouro, Maria de prata.

Publicação informações escritas por Frederick G. Holweck. Transcrito por Paul T. Crowley. In Memoriam, a Sra. Margaret Crowley & Sra. Margaret McHugh A Enciclopédia Católica, Volume I. Publicado em 1907. New York: Robert Appleton Companhia. Nihil obstat, 1 de março de 1907. Remy Lafort, STD, Censor. Imprimatur. + Cardeal John Farley, Arcebispo de Nova York



Além disso, veja:
St. Joachim


Este assunto apresentação do original em língua Inglês


Enviar e-mail uma pergunta ou comentário para nós: E-mail

O principal BELIEVE web-page (eo índice de assuntos) está em
http://mb-soft.com/believe/beliepom.html'